do mais profundo e doce da cidade

12th December 2012

Post

Lisbela era uma menina calma por natureza, consciente das coisas e dos fatos da vida. Era uma jovem com muitas idéias e muito amor pra dar, sua família era rica de materias, rica mesmo. Tinham todos a cabeça voltada pra o mesmo pensamento de padrão de vida e todos andavam com os da mesma ”classe”. 
Lisbela não entendia isso, pois pra ela todos eram iguais não importando seus materiais. 
Ela não se dava bem com sua mãe, que era a mais materialista de sua família. Sua mãe, Flordite, não fazia nada da vida a não ser poções para morte instantanea que ela usava contra quem ela achasse que não era confiável. Flordite se sustentava do dinheiro de seu pai, avô de Lisbela. Bento era um homem muito rico e vivido, mas com a cabeça fechada, com suas próprias ideologias finalizadas, o fundador da família “Louks”, o sobrenome de Lisbela.

Certo dia, quando Lisbela estava pensando na vida, triste, lembrando todas as vezes que apanhou da mãe por expressar-se diferente dos costumes da família, lembrando do que passou nas mãos de cada parente ignorante se pechou com um lindo rapaz, loiro, de olhos azuis e caiu no chão. Os dois se levantaram e no primeiro olhar sentiram uma coisa que jamais haviam sentido antes, eles se sentiram COMPLETAMENTE em paz. 

Ele perguntou o nome dela, ela respondeu, ela perguntou o seu e ele disse que se chamava Guilherme Gautama. Os dois passaram o resto da tarde conversando, tinham coisas muito parecidas e o mais importante, quase a mesma visão sobre a vida. Gautama perguntou se podia beija-la, e como Lisbela não carecia de tabus em seus pensamentos (como sua família tinha, Flordite dizia que beijar a primeira vez que conhece um garoto era ser prostituta) logo ela aceitou o carinho. Se beijaram rapidamente e ao mesmo tempo todos os instantantes congelaram. Era como se os dois se conectassem e encontrassem o conforto absoluto da segurança e felicidade um no outro. Não era dúvida de que era amor verdadeiro, aquele que ajuda a entender o próprio eu e ajuda a passar pela morte sem medo. 

Logo os dois passaram a se falar todos os dias, e nunca acabava o assunto. Não se seguraram e começaram a falar palavras de amor um para o outro e se sentindo bem com isso, sem mentiras, só sinceridades em cada letra recitada. 

Lisbela perguntou sua idade e o que Gautama fazia da vida. Ele era dois anos mais novo que ela e não tinha muito dinheiro comparado a sua família. Lisbela nunca se importou com isso por de tantos livros lidos já tinha se dado conta que o bem mais precioso era a cabeça e a felicidade, pouca coisa comparada ao materialismo de seus parentes. 

Um dia ela chegou pra sua mãe querendo compartilhar toda essa felicidade ”mãe, encontrei o amor da minha vida!”. Flordite fingiu muito bem estar contente pela filha, até mesmo disse que a levava no próximo encontro pra conhecer ele melhor. Lis ficou estupendamente feliz com a aparente aceitação de Flordite, a duas faces. 

No dia em que Guilherme conheceu Flordite foi tudo muito sereno. Se falaram bem, conversaram educadamente, mas o estranho era que Flordite nunca deixava de comentar que ele era muito magro. Na cabeça dos dois não se passava que ela detestava o fato de ele não ser conformes os padrões que ela havia sonhado para sua filha. Com conversa vai e vem, no fim todos combinaram que um final de semana ele iria a casa de Lisbela e outro Lisbela iria a sua casa. Aconteceu isso uma vez, até que Flordite mostrou sua cara de naja. 

Fez uma confusão falando para todos da cidade que estava decepcionada com sua filha, que estava doente e ela estava se drogando com um rapaz que não tinha dinheiro pra nada. Se fazia de vítima para seus parentes contando histórias fictícias sobre o casal e pedia ajuda para quem passasse para separar o casal esbelta. 

Lisbela, cansada de passar tanta repressão de sua família, no meio da confusão jogou fora o medo e falou tudo que tinha que dizer pra sua família, principalmente sua mãe. Flordite apavorada proibiu todo o tipo de contato de Lisbela com o mundo e a trancou numa torre muito alta até ela provar que tinha esquecido toda aquela história e havia ”se curado” de tal doença da cabeça. 

Lisbela foi trancada por 4 anos nessa torre enquanto Gautama organizava uma guerra contra os soldados da família “Louks” em busca de sua amada. Queria provar que com pouco se começa muito. No dia 6 de dezembro partiu para a torre com 80 ninjas treinados para matar em prol do amor do casal. 

Chegou no palácio da família pelas sombras, passou pela cozinha real, onde estava Flordite comendo tudo que tinha (ela sempre foi muito gorda). Passaram cuidadosamente pelas peças da casa vendo cada membro da família se olhando no espelho e se admirando. 
Quando estava perto da torre onde Lisbela se encontrava avistou dois dragões enormes do lado e vários obstáculos. 
Desenfreado e podre de treinado conseguiu passar todos sem ser visto com os 80 parceiros ao lado. Matou os dragões com uma morte sem dor e chegou na torre onde conseguiu agarrar Lisbela em seus braços e tomá-la pra si e libertá-la dos tiranos. 

Fugiram para o México onde trocaram de nome e viveram felizes para sempre. Nunca mais falaram com os parentes de Lisbela e experimentaram até o fim de suas vidas todo o tipo de prazer misturado com suas paixões infinitas. 

12th December 2012

Post

é
é sempre mais um dia
basta a gente ver o que vai fazer desse dia
o dia da depre
ou o dia afudê

12th December 2012

Post

pensar muito é infeliz demais, digo a vocês que preferia ser mais ignorante, ter meu lado animal intuitivo mais forte que meu lado pensativo e expressivo consciente, mas conhecimento é um vício. 

12th December 2012

Post

  A diferença do humano e do animal é simples, o animal não contesta e não pergunta o porque das situações, apenas se frustra com fome e solidão.

12th December 2012

Post

De menino para lobo.

Então o pequeno que já era do tamanho que tinha que ser atravessou a parede de luz que não sabia bem o que significava e descobriu aos poucos que a caverna que havia estado a vida toda era mais segura. Ficou perplexo, com medo de dar mais um passo mas querendo correr e descobrir a Floresta. Quando tocou a pata no chão pela segunda vez a frente caiu um tombo e levou vários arranhões. Descansando do estranho movimento ocorrido avistou outro ser que respirava, assim descobriu que sentia sede de sangue e o matou. A vida é assim, uns nascem a procura de comida outros nascem sempre tentando não ser a comida do próximo. 

5th December 2012

Post

Afogando-me em ondas de mar mental de repente me sinto em águas paradas. Gritei “terra a vista!” mas quando cheguei finalmente nos conformes situados nessa terra prometida, era só ilusão. Não havia me dado conta ainda de que podia respirar em baixo d’água. Me aprofundei em mim mesma e lá descobri idéias infinitas e outras por terminar.

5th December 2012

Post

3rd December 2012

Post

Sintetiza a vida sintética desse rapaz. Satisfaz a cabeça que aqui já sufocou Sufocou o ar que eu respiro. Tenta entender porque te peço isso, imagens tremendo com cores vibrantes tem que parar ele tem que ter um tempo pra amar já que louco assim só tem cabeça de vento disse o padre e curandeiro.

29th November 2012

Photo

29th November 2012

Photo